Logotipo Biotec AHG

Análises ômicas de PDAC

Imprimir .
O adenocarcinoma do ducto pancreático (PDAC, sigla em inglês), caracterizado principalmente pela sua agressividade, tem levado um número cada vez maior de pacientes a óbito. Somam-se a isso, o pouco conhecimento sobre os gatilhos moleculares, responsáveis pelo surgimento da doença, a ausência de sintomas que sinalizem seu aparecimento e a falta de métodos confiáveis e eficazes para a triagem e detecção precoces.

Com base nestes cenários, um grupo de pesquisadores de diversos países, em parceria com universidades dos EUA, realizou a análise genômica e proteômica de tecidos tumorais de PDAC.

Estudos anteriores caracterizaram diferentes espécimes de tumores, ajudando a compreender melhor os fatores que determinam as principais alterações genômicas no PDAC, assim como as alterações somáticas nos genes KRAS (proto-oncogene, GTPase), TP 53 (tumor proteins), CDK2A (cyclin dependent kinase inhibitor 2A) e o SMAD4 (SMAD family member 4). Esses estudos levaram ao conhecimento também de classificações moleculares de tumores, baseados em padrões de expressão gênica e de alvos terapêuticos.
 
De acordo com essa pesquisa, a análise proteômica, associada ao estudo da modificação pós-traducional do PDAC, tem maior abrangência sobre a biologia do câncer de pâncreas, já que as características genômicas e transcriptômicas, mesmo sendo necessárias para identificar as vias de sinalização críticas ativas no PDAC, individualmente, não são suficientes para elucidar totalmente essa doença e promover os avanços na oncologia de precisão. Segundo os pesquisadores, a análise proteogenômica fornece uma visão mais abrangente da biologia do câncer de pâncreas e proporciona a descoberta de alvos para detecção e tratamento precoces.

Nesse estudo, o grupo de cientistas realizou a caracterização proteogenômica de PDACs, sem tratamento específico, de amostras de tecidos normais, adjacentes ao tumor (NATs, sigla para Normal Adjacent Tissues) e de tecidos não tumorais macrodissecados do ducto pancreático. A equipe de pesquisadores explorou as características proteogenômicas específicas para células epiteliais neoplásicas dos ductos pancreáticos, por meio da deconvolução molecular e histológica.

Com essa abordagem, os pesquisadores conseguiram confirmar a existência de marcadores de proteínas clinicamente relevantes e com a caracterização proteogenômica integrada. Foi possível também revelar os efeitos fenotípicos das alterações genômicas e epigenéticas em proteínas, as modificações proteicas, o delineamento de subtipos moleculares de PDAC e as composições de microambiente celular.
 
Os dados obtidos nesse estudo ajudarão no desenvolvimento de novas pesquisas que tenham como foco a detecção precoce e estratificação de pacientes, com base na classificação do tumor para orientar a seleção do tratamento, concluíram os pesquisadores no artigo.
08/11/2021
Arlei Maturano - Equipe Biotec AHG
 

 © BIOTEC AHG 2022 - Todos os direitos reservados - Rua Dr. Melo Alves, 529, cj. 82. Cerqueira César. São Paulo-SP, Brasil. CEP: 01417-010