Logotipo Biotec AHG

Culturas geneticamente modificadas e seu papel na agricultura sustentável

Imprimir .
A nova pesquisa observou que as colheitas de cultivares GM podem agora contribuir para a produtividade na agricultura sustentável. Em Nebraska, um dos principais estados da nação americana que usa as culturas geneticamente modificadas (GM), no ano passado, os agricultores plantaram mais de 10 milhões de acres de milho e soja GM. De acordo com o Ministério da Agricultura dos EUA, 90 por cento dos 4.6 milhões de acres do estado eram variedades de soja GM e 76 por cento de 8.4 milhões de acres eram variedades de milho GM.

A pesquisa foi conduzida por cientistas do NCEAS (National Center for Ecological Analysis and Synthesis) na Universidade da Califórnia, Universidade de Santa Clara e a organização não governamental The Nature Conservancy. O estudo é acompanhado de uma base de dados para os cientistas das áreas ambientais e para os que estudam especificamente os efeitos das culturas geneticamente modificadas na agricultura.

A biotecnologia e a engenharia genética são controversas por causa dos interesses sobre os riscos à saúde humana e à biodiversidade, mas poucas análises existem revelando os efeitos das plantas modificadas geneticamente e os efeitos que estas têm na outra espécie não-modificada.     Em uma análise de 42 experimentos de campo, os cientistas encontraram que esta modificação particular, que faz com que a planta produza um inseticida natural, pode ter um benefício ambiental, fazendo com que a pulverização em grande escala de inseticidas possa ser evitada. Organismos tais como besouros, joaninha, minhocas, e abelhas que habitam lugares com o cultivo de culturas com o BT, têm seus ciclos de vida melhor preservados do que aqueles lugares que houve tratamento com inseticidas químicos.

"Este é um estudo inovador e o primeiro de seu tipo para avaliar as colheitas geneticamente modificadas. Os resultados são significativos e servem para pensarmos sobre a tecnologia e o futuro da agricultura sustentável" disse Peter Kareiva, cientista da ONG The Nature Conservancy.

De acordo com o autor, Michele Marvier, da Universidade de Santa Clara, "podemos agora responder à pergunta: fazer colheitas com BT têm efeitos benéficos em insetos e em minhocas?". A resposta é dependente em grande parte do tipo de comparação que se faz. Quando as colheitas de BT são comparadas às colheitas pulverizadas com os inseticidas, as colheitas de BT ressaltam-se pelos seus efeitos positivos. “Mas, quando as colheitas do BT são comparadas às colheitas sem os inseticidas, há reduções de determinados grupos de animais que nos exigem mais pesquisas”. O que é sabido é que as vantagens ou as desvantagens de colheitas de cultivares GM dependem dos objetivos e da visão específica para cada tipo de ecossistema agrário.

Como o diretor do NCEAS, Jim Reichman explica, "Este importante estudo, levado a cabo por uma equipe de investigação interdisciplinar, revela como uma análise detalhada de uma grande quantidade de dados existente pode fornecer uma compreensão maior sobre uma questão complexa. O projeto é realçado pela criação de uma base de dados pública, desenvolvido pelo bioinformata Jim Regetz, que permitirá que outros cientistas conduzam suas análises", concluiu.

Em outra pesquisa realizada por geneticistas da Universidade de Rutgers em New Jersey, pesquisadores resolveram uma questão de interesse comum que envolve cultivares GM e sobre os genes que sofrem escape gênico. De acordo com pesquisadores de Rutgers, os novos genes são introduzidos atualmente em um núcleo da célula para desenvolver uma variedade geneticamente modificada. 

Muita oposição à agricultura com cultivares geneticamente modificados vem dos interesses sobre o novo gene que podem sofrer escape gênico, cruzando-se e contaminando outras colheitas e a espécie selvagem, e deste modo afetando de forma irreversível um determinado ecossistema. O que os pesquisadores de Rutgers estão propondo é implantar os genes em outro componente da célula - o plastídio - onde o risco de escape pode ser minimizado. 

O plastídio são organelas localizadas no citoplasma da célula envolvidas por duas membranas. Internamente apresenta um sistema de membranas e a matrix (estroma), que contém DNA do plastídio, ribossomos e enzimas. Apesar de existir diferentes tipos de plastídios, é no DNA do plastídio que se concentram as atenções dos experimentos. Introduzir novos genes úteis para a agricultura através do plastídio pode ser um dos meios mais eficazes para projetar a geração seguinte de colheitas GM, de acordo com os pesquisadores.

Em 2006, 10 milhões de agricultores em 22 países plantaram aproximadamente 250 milhões de acres com cultivares GM.

  
19/07/2007
 

 © BIOTEC AHG 2017 - Todos os direitos reservados - Rua Dr. Melo Alves, 529, cj. 82. Cerqueira César. São Paulo-SP, Brasil. CEP: 01417-010