Logotipo Biotec AHG

Características produtivas avaliadas por marcadores genéticos

Imprimir .
Com o maior rebanho bovino comercial do mundo, o Brasil tem grande destaque como fornecedor de carne in natura e de produtos derivados, com exportações que chegam a US$ 2 bilhões por ano. No mercado interno o destaque se dá pela grande fatia que representa na economia do país, participando com cerca de 9% do PIB (Produto Interno Bruto). As raças zebuínas (Bos indicus) e taurinas (Bos taurus) constituem a base genética do rebanho brasileiro. 

O avanço na genética do rebanho nacional tem sido bastante expressivo devido a técnicas de melhoramento genético tradicionais, visando características que podem ser mensuradas de forma mais fácil, precoce e com alta herdabilidade (representada por h2, mede o grau de correspondência entre fenótipo e valor genético que é, em última instância, aquilo que influencia a próxima geração). 

Características quantitativas como a maciez e o marmoreio da carne, por exemplo, são de mensuração tardia e/ou difícil e de alto custo e, além disso, são mais difíceis de serem melhoradas baseando-se apenas em mensurações fenotípicas. O uso de técnicas convencionais de melhoramento genético tem tornado lenta e pouco eficiente a obtenção de ganho genético. Com o intuito de acelerar os ganhos genéticos, novas descobertas sobre as bases genéticas e moleculares podem ser utilizadas de forma integrada aos meios tradicionais de melhoramento.        

A identificação de genes que expressam características de interesse econômico para a bovinocultura brasileira, vem sendo realizada por grupos de pesquisadores brasileiros. O uso de marcadores moleculares para identificar os genes de interesse econômico está entre as técnicas que vêm sendo utilizadas pelos pesquisadores junto com as técnicas tradicionais de melhoramento. 

O potencial genético do animal para características produtivas, como a maciez e o marmoreio (gordura entremeada na carne), pode ser identificado pelos marcadores genéticos, por meio da análise de DNA. Em um laboratório na Austrália, o pecuarista Antônio José Prata Carvalho submeteu dez reprodutores da raça nelore a um teste com marcadores moleculares para avaliar características de importância econômica como a maciez e marmoreio.

Ficou comprovado através dos testes que a carne dos animais da raça nelore do Sr. Antônio tem características de maciez e marmoreio tão boas quanto os animais das raças européias. A pontuação usada para mensurar essas características foi de 1 a 4 para maciez e de 1 a 3 para marmoreio. As notas obtidas pelos animais foram de 3 para maciez e 2 para marmoreio.  

Vantagens da tecnologia

O melhoramento genético do rebanho usando-se o método tradicional dos acasalamentos é demorado e até que se saiba se o reprodutor vai ou não transmitir o gene para a característica desejada, o produtor perde muito tempo.

O uso da tecnologia dos marcadores moleculares traz vantagens para o produtor que precisa ganhar tempo e ter precisão nos resultados. Essa tecnologia reduz o tempo gasto para se obter os resultados esperados, pois os marcadores moleculares identificam a característica produtiva no gene do animal.  

Apesar da eficiência da tecnologia dos marcadores moleculares, essa técnica deve estar associada a outras já em uso pelos melhoristas, como o teste de progênie, por exemplo. Algumas características produtivas não dependem exclusivamente da genética do animal, mas também de fatores como nutrição, manejo, entre outras, para que os animais possam expressar todo o seu potencial genético. 

Marcadores moleculares

Os marcadores moleculares podem ser utilizados com diferentes objetivos dentro do melhoramento genético animal, como por exemplo, investigar as propriedades genéticas de uma determinada população ou identificar genes que codificam importantes traços genéticos de interesse produtivo. 

Como exemplo do uso de marcadores moleculares, um artigo publicado no jornal online Genetics and Molecular Research, por um grupo de estudantes da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (FZEA/USP), caracteriza geneticamente uma população de bovinos Europeus-Zebu pela composição da carne de novilhas com diferentes cruzamentos. Dessa forma foi possível conhecer a estrutura e variabilidade genética dos animais híbridos usando-se dois marcadores moleculares o RFLP para os genes do hormônio luteinizante-receptor (LHR) e do hormônio folículo estimulante-receptor (FSHR).

  
15/11/2007
Arlei Maturano - Equipe Biotec AHG
 

 © BIOTEC AHG 2017 - Todos os direitos reservados - Rua Dr. Melo Alves, 529, cj. 82. Cerqueira César. São Paulo-SP, Brasil. CEP: 01417-010