Logotipo Biotec AHG

Tecnologia emergente é debatida em evento

Imprimir .

O programa da Biolatina 2008 abrangeu a importância do uso da biotecnologia em diferentes áreas da ciência e no desenvolvimento das chamadas “tecnologias emergentes”.  Especialistas mostraram como o setor pode auxiliar no desenvolvimento de produtos e de técnicas nas áreas de diagnóstico, de biocombustíveis, de meio ambiente e de nanotecnologia. 

O Brasil desponta como um dos líderes mundiais na produção de biocombustíveis, juntamente com os Estados Unidos. A principal matéria-prima brasileira, para a produção de etanol, é a cana-de-açúcar. Por sua vez, os norte-americanos utilizam o milho, a partir de um processo mais caro e menos eficiente que o do Brasil. Os especialistas apontaram os biocombustíveis e a tecnologia desenvolvida para a sua produção como um dos pontos de atração de investimentos internacionais para o País. No setor de bioenergia, o governo brasileiro tem diversos programas para o desenvolvimento de produtos de matéria-prima renovável, como o Programa Nacional da Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) e a utilização da biomassa para a produção de energia.

No ano de 2007, a biotecnologia agrícola brasileira atingiu o auge de seu avanço tecnológico e, nesse mesmo ano, foi liberada a comercialização de três tipos de variedades de sementes de milho GM. Também foram aprovados mais de 420 processos, relacionados a organismos geneticamente modificados (OGMs), pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio.  

Durante o evento, foram apresentadas novas perspectivas e resultados obtidos a partir do uso de nanobiotecnologia. As características que identificam essa ciência, já empregada em diversos setores, agora despertam grande interesse na área da saúde. Em 2005, foi lançado, no Brasil, o Programa Nacional de Nanotecnologia (PNN), que recebe apoio irrestrito do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Um dos objetivos da PNN é o de atender às demandas estratégicas, identificadas pela comunidade envolvida com o setor.

Na área de diagnósticos, especialistas de diferentes áreas apresentaram linhas de pesquisas e resultados mais significativos. Além disso, mostraram os seus pontos de vista acerca do uso das inovações biotecnológicas aplicadas ao diagnóstico e sobre o que essa tecnologia pode acarretar na precisão dos resultados e na qualidade de vida do paciente.

O pesquisador e diretor do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Fundação Antônio Prudente, Luis Kowalski, apresentou alguns dos resultados obtidos em suas pesquisas, como a utilização de biomarcadores em carcinomas, que representa um grande avanço no uso da biotecnologia na área da saúde. 

O crescimento das pesquisas com células-tronco no Brasil foi tema recorrente nos últimos anos, colocando o País em uma posição importante no cenário científico mundial. A Chief Scientific Officer (CSO) da empresa americana Stemina, vinculada à Universidade de Wisconsin-Madison, EUA, Gabriela Cezar, trouxe os resultados de pesquisas com células-tronco na aplicação de metaboloma em célula estaminal. O objetivo de seus estudos é o de descobrir caminhos bioquímicos de distúrbios neurocomportamentais. Para isso, a pesquisadora se utiliza de células embrionárias humanas e de tipos originados a partir delas.

A Biolatina 2008 deixou clara a importância que a biotencologia tem no desenvolvimento de novas tecnologias, em diferentes áreas da ciência. Principalmente no que diz respeito aos biocombustíveis, o Brasil tem um lugar privilegiado no mercado internacional, devido ao desenvolvimento de programas de incentivo à produção desse tipo de combustível e à tecnologia já desenvolvida.

23/10/2008
Arlei Maturano - Equipe Biotec AHG
 

 © BIOTEC AHG 2017 - Todos os direitos reservados - Rua Dr. Melo Alves, 529, cj. 82. Cerqueira César. São Paulo-SP, Brasil. CEP: 01417-010