Logotipo Biotec AHG

Algodão Bt imune a lepidópteros

Imprimir .
O emprego da biotecnologia na agricultura têm sido de grande importância para o desenvolvimento desse setor no âmbito mundial, trazendo diversos benefícios, tais como a diminuição do uso de defensivos agrícolas, a produção de plantas mais resistentes a diferentes tipos de pragas, dentre outras.

Esses resultados se devem, em grande parte, à utilização das plantas geneticamente modificadas (GM), também conhecidas como transgênicas, as quais são obtidas por uma técnica chamada de transgenia (transgênese). Ela consiste na inserção, no genoma de um organismo receptor, através de técnicas de Engenharia Genética, de um ou mais genes obtidos de indivíduos diferentes, que podem ser, ou não, da mesma espécie do receptor.

Culturas como a soja, o milho e o algodão, transgênicos, têm ocupado grandes áreas ao redor do mundo e, apesar de todos os benefícios já constatados pelos cientistas, muitas pesquisas ainda têm que ser realizadas. 

A resistência a pragas é umas das principais vantagens apresentadas por esse tipo de plantas, como foi constatado no estudo realizado pelo pesquisador da Universidade de Clemson, EUA, Jeremy Greene. Ele plantou duas variedades de algodão, uma geneticamente modificada para conferir proteção a uma lagarta da ordem dos lepidópteros, e a outra normal.  

O objetivo do experimento foi mostrar os danos causados às espécies suscetíveis ao ataque, isso porque na região onde o algodão foi cultivado, essa cultura tem grande importância econômica, gerando muitos empregos. 

A variedade cultivada no local do experimento foi o algodão Bt, contendo os genes de uma cepa específica do Bacillus thuringiensis, que produzem uma proteína tóxica para lepidópteros imaturos ou lagartas, mas não para os indivíduos adultos. Apesar de essa técnica estar presente no mercado desde 1996, ela vem sendo constantemente aperfeiçoada para um controle cada vez mais efetivo das diversas pragas.

A análise dos danos causados pelas lagartas nas áreas cultivadas foi feita por meio de fotografias aéreas, permitindo ao pesquisador ter uma maior dimensão do prejuízo.  


Tecnologia Bt

As plantas transgênicas atualmente comercializadas podem ser tolerantes a herbicidas, capazes de produzir proteínas da bactéria inseticida Bacillus thuringiensis (Bt) – que conferem às plantas resistência ao ataque de pragas específicas –, ou ainda combinar as duas características. Diversos fatores são considerados favoráveis para a utilização das plantas Bt, tais como a eficiência no controle de determinadas pragas em algumas lavouras, o aumento da produtividade, a redução dos custos de produção e no emprego de inseticidas químicos que atuam sobre diferentes insetos que causam danos às plantações. Em conseqüência disso, a redução no uso de inseticidas também favorece o controle biológico natural, pois os insetos benéficos ficam menos sujeitos à ação dos produtos químicos.

No entanto, para muitos pesquisadores o uso dessa tecnologia não traz apenas benefícios, pois segundo eles seu emprego poderia causar a transferência de genes de organismos transgênicos para indivíduos da mesma ou de espécies diferentes. 

Além disso, poderia ter como consequências o desenvolvimento de resistência das pragas às toxinas expressas pelas plantas biomelhoradas e efeitos indesejáveis dessas plantas sobre organismos não alvos de controle, mas que fazem parte dos ecossistemas nos quais estão as plantas GM cultivadas. Tudo isso, vem suscitando muitas discussões, requerendo cada vez mais pesquisas no campo da biossegurança.
10/02/2011
Arlei Maturano - Equipe Biotec AHG
 

 © BIOTEC AHG 2017 - Todos os direitos reservados - Rua Dr. Melo Alves, 529, cj. 82. Cerqueira César. São Paulo-SP, Brasil. CEP: 01417-010